Saúde na Era Digital: qual é o papel das empresas nesse aspecto?

15 minutos para ler

Transtornos como depressão, ansiedade, estresse e uma série de outras questões que afetam a saúde dos trabalhadores podem estar relacionados à tecnologia que, apesar de ser responsável por grandes avanços em todas as áreas da sociedade, tem interferido de forma direta na saúde mental e física das pessoas. Por conta disso, precisamos falar sobre a saúde na era digital.

Ignorar essa importante realidade social pode trazer graves prejuízos para as empresas, como aumento do índice de afastamento do trabalho, baixa produtividade, etc. Ao longo desta leitura, vamos explorar o tema e descobrir qual o papel das empresas neste cenário. Acompanhe!

Fatores que influenciaram a mudança da saúde na era digital

Se você pensar na geração dos seus pais e avós, verá que os hábitos eram bem diferentes. Hoje, as pessoas se distraem assistindo filmes pela web, se comunicando por mensagens e postando fotos nas redes sociais de qualquer lugar, sendo que, há menos de 30 anos, isso era impensável.

Entre ônus e bônus, a era digital transformou a vida social das pessoas e modernizou as empresas, promovendo também uma grande mudança no mercado de trabalho. Assim, vem avançando com consequências nunca antes observadas.

Veja a seguir os principais fatores que influenciam as alterações da saúde na era digital!

Tecnologia

Com os avanços tecnológicos, em especial com a popularização da internet no Brasil, em meados dos anos 90, o brasileiro passou a usar a rede mundial de computadores em casa. Entre os objetivos principais deste uso estavam ter acesso às notícias, trocar e-mails e, aos poucos, o entretenimento na web foi crescendo.

No início, o serviço era lento e se restringia à minoria da população, já que nem todos tinham um computador em casa. Com o passar dos anos, em meados de 2000, o grande “boom” de pessoas conectadas aconteceu, principalmente com a popularização dos smartphones e da tecnologia de dados móveis.

Globalização

As inovações tecnológicas envolvendo as telecomunicações e o transporte diminuíram as distâncias e ultrapassaram as fronteiras nacionais. Neste cenário, a internet tem grande participação ao conectar pessoas do mundo inteiro por meio de videoconferências.

No ambiente laboral, a globalização é mais visível em empresas multinacionais, que têm sedes em vários países, como no caso das montadoras e das empresas que importam e exportam matéria-prima.

Novos meios de comunicação

Desde meados dos anos 1960, estamos vivendo o período chamado de era da informação, pós era industrial. Essa fase se caracteriza pela evidente e contínua evolução tecnológica, que chega às pessoas principalmente pelos meios de comunicação: como rádio, TV, portais de notícias e, mais recentemente, as redes sociais.

Assim, ficam evidentes os impactos políticos, sociais, econômicos e, sobretudo, psicológicos desses novos tempos, particularmente se compararmos as novas gerações às mais antigas.

Todos esses veículos de comunicação se aprimoram continuamente, diminuindo distâncias e conectando pessoas por meio de alguns toques na tela. Aliás, com as redes sociais, hoje, todos somos capazes de gerar informação, transformando também o modo como a sociedade consome as notícias.

Inteligência Artificial e Machine Learning

Softwares avançados são capazes de compilar dados, prever tendências e, até mesmo, oferecer o produto certo para a pessoa certa por meio da leitura de históricos de navegação na internet. É a inteligência artificial sendo usada para incentivar o consumo e promover soluções para as mais diversas demandas.

Na indústria, a Inteligência Artificial e o Machine Learning são usados para otimizar processos e reduzir custos, ao mesmo tempo em que promovem a qualidade das mercadorias produzidas. Essa tendência tem mudado a forma de trabalho nas empresas, que caminham a cada dia para serem mais técnicas, estratégicas e menos operacionais.

Consequências dessas mudanças

É fato que está cada vez mais difícil não ceder à era digital, uma vez que ela está presente nas casas, no trabalho e também nos círculos sociais. Diante desta realidade, é preciso estar atento, pois apesar de trazer muitos benefícios, a tecnologia e a era digital também podem comprometer a saúde no trabalho e o bem-estar das pessoas.

Confira alguns exemplos dos impactos no dia a dia.

Má alimentação

Além do brasileiro se movimentar cada vez menos, também está se alimentando mal. Isso porque as rotinas são cada vez mais corridas e os restaurantes de comida pronta, como os fast foods, estão sendo muito mais utilizados.

Aplicativos de entrega também são usados para pedir alimentos prontos em casa. Pizzas, hambúrgueres e frituras, regados a bebidas açucaradas gaseificadas, compõem o cardápio do brasileiro, que vem deixando a combinação do arroz com feijão para aderir a pratos cada vez mais gordurosos, calóricos e pouco nutritivos.

Uma pesquisa mundial revelou que cerca de 11 milhões de mortes por ano estão relacionadas à má alimentação, gerando um impacto econômico perto de dois trilhões de dólares por ano ou quase 3% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial.

Não é à toa que mais da metade da população brasileira está com sobrepeso, inclusive as crianças, que crescem com hábitos alimentares pouco saudáveis. Dados do Ministério da Saúde evidenciaram que, entre 2006 e 2018, a porcentagem de pessoas com obesidade cresceu de 11,8% para 19,8%. Esse fato refletirá no futuro, com doenças decorrentes dessa má alimentação, a exemplo de problemas cardíacos e até câncer.

Ainda de acordo com a pesquisa do Ministério da Saúde, a elevação da taxa de obesidade foi maior entre adultos ativos, ou seja, atuantes no mercado de trabalho, nas faixas de 25 a 34 anos e de 35 a 44 anos. O sobrepeso é mais observado na população masculina, no entanto, a obesidade é ligeiramente mais elevada entre as mulheres. No ano de 2018, 20,7% da população feminina apresentava obesidade, contra 18,7% dos homens.

Estresse

É difícil de imaginar, mas o Brasil está entre a população mais estressada do mundo! Os dados são do International Stress Management Association (ISMA), em pesquisa realizada em 2010.

Afina, o que a era digital tem a ver com isso? Tudo! Hoje em dia as pessoas levam trabalho para casa e sofrem com o excesso de informações recebidas em seus smartphones e computadores.

A tecnologia prometeu reduzir as tarefas do homem, mas o que vivemos na realidade é que ela aumentou a competitividade por uma posição no mercado de trabalho, fazendo com que as organizações tenham de se empenhar sempre mais na busca de melhores resultados.

Ansiedade

Os medicamentos ansiolíticos são os remédios controlados mais usados no Brasil. Apenas no ano de 2018, foram comercializados 56,6 milhões de caixas de calmantes e soníferos. Isso significa que o brasileiro tem cada dia mais dificuldade para lidar com as suas emoções, seja no âmbito familiar ou profissional.

No trabalho, a ansiedade é uma realidade cada vez mais evidente, afetando a produtividade e a satisfação do trabalhador. Diante desse cenário, é preciso ficar atento, pois a ansiedade pode desencadear doenças mais graves.

Assim, em ambientes cada vez mais hiperconectados, imediatistas e com um grande volume de informações, o gatilho para a ansiedade é cada vez mais iminente. O mundo digital e as tecnologias despertam a sensação de falta de tempo e estresse, mesmo sendo inegáveis as facilidades, conveniências e o conforto que esses novos recursos nos oferecem, tanto no trabalho quanto na vida pessoal.

Depressão e baixa autoestima

A depressão caminha para ser a doença mais incapacitante do mundo. As motivações são as mais diversas. No entanto, já é observado pelos especialistas que as redes sociais têm um papel importante no desencadeamento da condição.

Horas e mais horas navegando pelas mais diversas plataformas comparando a própria vida com a de amigos e personalidades têm sido uma das principais causas para a sensação de frustração e inferioridade, que culmina em uma baixa autoestima, levando aos primeiros sintomas da depressão.

Outra questão evidente que pode influenciar de modo negativo na depressão é a constante busca por aprovação. Isso acontece quando o indivíduo posta um momento “feliz” apenas para ganhar “uma curtida”.

Essa ação dá a falsa sensação de acolhimento à medida que as respostas vão sendo apresentadas. Mas a verdade é que o indivíduo está em busca da aprovação e, quando esse retorno é frustrado, as chances dos sentimentos negativos serem desencadeados são ainda maiores.

Portanto, a saúde na era digital também passa por ficar atento à sua interação nas redes sociais. É preciso viver mais no mundo off-line e se conectar com pessoas de verdade.

A contribuição das empresas para melhorar a saúde dos funcionários na era digital

Empresas são feitas por pessoas, e nenhuma máquina será capaz de substituí-las. Por isso, é preciso ter um olhar mais atento com os fatores psicossociais, a fim de promover uma melhor qualidade de vida no trabalho e de incentivá-los a adotar hábitos mais saudáveis. Com isso, tanto empresa quanto empregados têm muito a ganhar.

Descubra como a sua organização pode fazer a gestão da saúde do funcionário na era digital!

Abra canais de diálogo

Incentivar uma comunicação horizontal ainda é a melhor forma de conquistar a confiança dos empregados e também entender suas necessidades e anseios frente à rotina de trabalho na era digital.

Para isso, deixe caixas de sugestões espalhadas por pontos estratégicos da empresa ou implemente canais digitais de diálogo, incentive a comunicação entre líderes e liderados, fortalecendo a liderança como fator de proteção, e promova encontros com a alta gestão para que as questões do dia a dia possam ser expostas abertamente.

Mas fique calmo. Isso não significa que você terá de atender a todas as solicitações de imediato. Entretanto, mostre que a empresa está aberta a ouvir e tomar as decisões e providências dentro das possibilidades.

Promova a prevenção a doenças mentais

É preciso falar abertamente sobre as doenças mentais no trabalho, visto que a era digital pode comprometer a saúde e o bem-estar das pessoas. Os movimentos Janeiro Branco e Setembro Amarelo, por exemplo, podem ser abordados dentro da empresa com conteúdos explicativos, ciclo de palestras e ações para que as pessoas falem abertamente sobre seus anseios, medos e transtornos com relação à sua saúde mental.

Incentive uma alimentação saudável

Uma vez que os brasileiros vêm se movimentando cada vez menos, se alimentando de forma não adequada, e utilizando também de diferentes aplicativos de entrega na era digital, ofereça aos trabalhadores da empresa uma refeição equilibrada ou, se a empresa não fornecer alimentação, use os veículos de comunicação interna para fornecer orientações profissionais sobre o assunto, com dicas práticas de como substituir alimentos gordurosos e açucarados por outros mais saudáveis. Isso para ajudar a combater as taxas de sobrepeso, obesidade e outras doenças decorrentes de uma má alimentação. Para isso, você pode contar com a ajuda de um profissional nutricionista ou com os serviços de nutrição do SESI.

Palestras e orientações personalizadas sobre uma alimentação saudável também podem ser incorporadas ao calendário de endomarketing da empresa. É possível aproveitar o datas temáticas ou a SIPAT para abordar o tema.

Crie um ambiente acolhedor e empático

Ainda que na era digital muitas das relações interpessoais sejam intermediadas por máquinas, um ambiente de trabalho saudável é fundamental para que as pessoas possam manter a saúde mental em dia, ajudando a afastar males como a depressão, a ansiedade, síndromes e outras doenças. Logo, é preciso cuidar para que o clima organizacional seja favorável, habilitando e capacitando a liderança para conciliar conflitos e também identificar questões e doenças que possam estar acometendo os trabalhadores.

Um ambiente acolhedor é fundamental para que as pessoas se sintam capazes de fazer as suas melhores entregas. Para isso, incentive pequenas comemorações, promova reuniões de feedback e alinhamento, mantenha um calendário de endomarketing constante e fique atento à capacitação dos gestores.

O conjunto desses esforços é primordial para gerar mais empatia entre empresa e empregados, favorecendo um ambiente laboral mais saudável e também produtivo.

Incentive a prática de atividades físicas

Você sabia que praticar atividades físicas libera os hormônios da felicidade, como endorfina e serotonina, que atuam junto aos neurotransmissores afetando os níveis de humor, de energia e bem-estar geral?

Frequentemente chamada de hormônio da felicidade, a serotonina aumenta a disposição e colabora no combate à depressão. Além disso, ela é fundamental para dormir bem e estabilizar o humor. Ainda, interfere em muitas funções fisiológicas, como digestão, o controle da pressão arterial e regulação da temperatura do corpo.

Já a endorfina é um analgésico natural que colabora para a diminuição da percepção de dor, elevando a sensação de bem-estar. Além disso, praticar atividades físicas ajuda a equilibrar taxas de glicose e colesterol no organismo, colabora para manter o peso corporal ideal, combatendo a obesidade, o sobrepeso e outros males.

Logo, é fundamental incentivar a prática de atividades físicas no trabalho, principalmente na era digital, onde tem se observado que as pessoas estão se movimentando cada vez menos. Você pode fazer isso com a promoção de convênios com academias e clubes. Agora, se a empresa tiver um amplo espaço de convivência, considere aproveitá-lo para aulas de ginástica ou dança em grupo. A ginástica laboral promovida de forma constante na empresa também é importante para evitar lesões e outros transtornos.

Os benefícios de contribuir com a saúde dos funcionários

Quando a empresa assume que também é responsável pela saúde e bem-estar de seus funcionários, ela colhe uma série de vantagens que contribuem para o seu crescimento. Separamos os principais benefícios a seguir. Acompanhe!

Menor chance de afastamento de profissionais

Pessoas mais saudáveis têm menos chances de se afastar do trabalho, devido tanto a doenças físicas quanto emocionais, colaborando para baixar a taxa de absenteísmo das empresas. Além disso, trabalham com mais disposição, elevando a qualidade dos serviços e produtos.

Melhora no clima organizacional

Ninguém deseja trabalhar em um lugar onde as pessoas ficam doentes, não é mesmo? Quando a empresa se preocupa em oferecer incentivos para a qualidade de vida e saúde de seus trabalhadores, os funcionários se sentem mais seguros e incentivados, o que cria um ambiente laboral positivo e ajuda na melhora do clima organizacional.

Todo esse cenário ainda ajuda a empresa a formar a sua marca empregadora na retenção de talentos, o que culmina no reconhecimento da organização como um bom lugar para se trabalhar também diante dos públicos de relacionamento.

Aumento na produtividade

A lógica é simples: pessoas saudáveis somadas a um bom ambiente para se trabalhar e um clima organizacional positivo, resultam em uma melhor produtividade.

Isso porque as pessoas também se sentem gratas à empresa pelas ações de promoção da saúde e tendem a se comprometer mais com as suas entregas, gerando uma cadeia de valor para a organização, refletindo na imagem da companhia no mercado.

Menor rotatividade

Esse sentimento de gratidão e reconhecimento pelos esforços da empresa em manter a saúde dos funcionários também proporciona a queda na rotatividade de empregados, pois eles entendem que a companhia é uma boa empresa para se trabalhar e permanecem mais tempo na organização.

Reconhecimento no mercado

O reconhecimento no mercado é a coroação pelas práticas de incentivo à saúde dos funcionários. Como já adiantamos, os empregados tendem a elevar a sua produtividade e também a qualidade de seus serviços, culminando na satisfação dos clientes.

Isso ajuda, inclusive, a elevar a marca da empresa no mercado, agregando valores importantes para a diferenciação dos serviços e produtos comercializados, ou seja, a empresa passa a ser reconhecida pela sua excelência, o que agrega mais valor aos itens vendidos.

Como vimos ao longo da leitura, fatores sociais e econômicos têm interferido de forma singular na saúde dos trabalhadores. Com o advento das novas tecnologias, que transformaram a maneira como nos comunicamos e também consumimos informação, a saúde na era digital é um tema cada vez mais presente nas companhias.

No entanto, é preciso estar preparado para enxergar as questões que impactam a saúde do trabalhador e também dar andamento em ações necessárias para diminuir os abalos negativos da tecnologia na vida dos empregados.

Para isso, é possível contar com uma série de ações de promoção da saúde, como oferecer uma boa alimentação, incentivar a prática de esportes e ficar atento à saúde mental dos trabalhadores.

Se você gostou do artigo e deseja continuar aprendendo, confira também este conteúdo sobre proteção psicossocial.

Powered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe um comentário

Share This