Gestão de Pessoas

RH na Indústria 4.0: montamos um guia completo sobre o assunto

Tempo de leitura: 17 min
Powered by Rock Convert

Novas tecnologias, novas formas de contratar e maior produtividade da equipe. Essas são algumas das expectativas do RH na Indústria 4.0. O movimento também é chamado de Quarta Revolução Industrial e conta com processos de manufatura inteligente, estimulados pela agilidade que a inovação trouxe para os negócios.

Se a forma de produção vai mudar, é fácil entender por quais motivos os profissionais que vão atuar nos novos padrões precisarão reformular as habilidades do currículo. Ao contrário do que se possa especular, isso não vai causar redução no número de vagas, apenas demandará perfis diferentes daqueles que o mercado de trabalho conhece hoje.

Neste artigo, você conhecerá a relação entre a Indústria 4.0 e o RH, bem como os impactos, os desafios e as tendências do setor para os próximos anos. Conheça, também, as competências necessárias para os profissionais da área. Boa leitura!

Relação entre RH e Indústria 4.0

Inteligência Artificial no RH, internet das coisas e big data, entre outras inovações, são palavras-chave quando o assunto é Indústria 4.0. As transformações tecnológicas não afetam apenas o processo de produção, mas também a forma como gerenciamos pessoas.

A Quarta Revolução Industrial apresenta um cenário no qual as tecnologias físicas e digitais se combinam. As máquinas deixam de apenas assistir e se unem às pessoas. Dispositivos interconectados e inteligentes tornam-se cada vez mais comuns, transformando a cadeia de produção e logística.

Não só as empresas precisam se preparar para essa transição, que interfere diretamente na vida do trabalhador. O setor de recursos humanos também deve tomar a frente nesse contexto. Novas ferramentas tecnológicas são responsáveis por selecionar e preparar a força de trabalho para os atuais e futuros modelos de produção.

Assim, o RH deixa de ser apenas um suporte para as pessoas e se volta para a gestão estratégica. O resultado é um olhar mais esclarecido sobre quem são os colaboradores e como eles podem contribuir mais para a empresa. Isso aumenta a produtividade no ambiente de trabalho.

Com a necessidade de mudar o perfil dos profissionais no mercado, o setor de RH passa a ser estratégico. Seu papel se torna tático e fundamental dentro das organizações. Para isso, é preciso usar todos os dispositivos de interação, gestão e conhecimento de perfis para fazer um melhor gerenciamento das pessoas, de forma que elas contribuam cada vez mais.

Impactos da Indústria 4.0 no RH

Com base nos novos pilares da indústria, o RH precisa praticar uma gestão mais inteligente, além de investir em um capital humano que saiba lidar com a tecnologia. Para isso, é importante que ocorra uma união entre os setores de TI e RH.

Na prática, isso ocorre com a desburocratização da área de recursos humanos, tornando-a mais alinhada com o negócio. Com relação ao posicionamento, ele deve ser o mais estratégico possível. Isso significa que é preciso participar ativamente do gerenciamento estratégico da indústria, com ações e metas alinhadas aos objetivos da organização.

Automatizar processos e descentralizar a gestão também são conceitos-chave. Entenda melhor quais são os impactos da Indústria 4.0 no RH.

Métricas e indicadores de produtividade

Uma pesquisa realizada em 2016 mostrou que apenas 39% do expediente de trabalho é produtivo. O restante é perdido com atividades dispensáveis. Assim, é possível perceber a importância de buscar formas para manter o foco e o engajamento dos colaboradores.

Os profissionais de RH também precisam construir uma cultura de alto desempenho, por meio de novas maneiras de estabelecer objetivos e metas. Existem muitos métodos para isso, como o SMART e o OKR.

Além disso, é importante mostrar para as equipes a importância de manter o alto desempenho, especialmente em um contexto de grande competitividade. Somente assim é possível alcançar os objetivos estratégicos da empresa. Pessoas com esse perfil tendem a ter algumas características, como:

  • flexibilidade e capacidade de adaptação;
  • inteligência emocional;
  • comunicação clara;
  • motivação intrínseca.

Tomada de decisão com base em dados

Não é correto definir quem vai ser promovido, treinado ou demitido apenas por meio de decisões pouco sistêmicas. Para otimizar os resultados, é importante organizar um processo claro, com base em informações cuidadosamente analisadas.

Na Indústria 4.0, as decisões vão ser baseadas na análise e integração de dados no RH. Isso inclui os processos de definição de planos estratégicos, contratação e promoção de talentos. Essa tendência é conhecida como People Analytics.

Os dados relevantes podem ser retirados de vários locais, como plataformas de gestão de pessoas ou sites da internet. Em seguida, precisam ser organizados e transformados em referências estratégicas à organização.

Para um melhor resultado, o gestor de RH deve analisar e selecionar aqueles dados que apresentam mais valor. Quando o assunto é People Analytics, a qualidade das informações é vista por três perspectivas: volume, veracidade e velocidade na qual elas são adquiridas.

Implementação da gestão de conhecimento

A gestão do conhecimento pode ser entendida como o processo de conquista, distribuição e uso da sabedoria de maneira efetiva. Independentemente do ramo de atuação da empresa, o capital humano sempre será sua força principal.

Portanto, é necessário materializar tudo que os colaboradores criam, produzem e transformam. Para isso, o setor de RH precisa aprimorar a forma de olhar para o conhecimento que circula no ambiente organizacional.

A memória organizacional é o conceito central na modalidade de gerenciamento do conhecimento. Ela é o foco de todas as ações e é formada por:

  • indivíduos;

  • cultura da organização;

  • procedimentos e processos internos;

  • espaço físico de trabalho;

  • arquivos.

Depois de criar a memória corporativa, a tecnologia pode ser usada para favorecer o compartilhamento e a criação do conhecimento.

Desenvolvimento de uma liderança conectada com as novas tecnologias

Uma das funções do RH é dar suporte aos gestores para que eles conduzam suas equipes ao sucesso. Com a Indústria 4.0, o setor tem outro desafio: formar líderes conectados e disruptivos.

A liderança atual precisa de um novo conjunto de habilidades e conhecimentos, pois as competências do passado não são suficientes para encarar os desafios atuais. Todos devem se adequar aos novos padrões de trabalho e saber lidar com ferramentas modernas.

Isso mostra que as empresas que se evidenciam no mercado são aquelas que se antecipam e investem fortemente no desenvolvimento dos seus colaboradores. Portanto, o RH precisa saber conduzir essas mudanças e ajudar a formar líderes de alto desempenho e que saibam atuar com as novas dinâmicas do mercado.

Desafios do RH no contexto 4.0

As grandes transformações vêm acompanhadas de desafios de todos os tipos e portes. A gestão de pessoas, por exemplo, não é mais feita da mesma forma, e os ambientes corporativos são cada vez mais complexos. Junto a isso, a tecnologia ampliou o conjunto de responsabilidades e de possibilidades de cada indivíduo.

Cabe aos profissionais de recursos humanos entender isso e divulgar essas mudanças de forma coerente para as equipes. É preciso que o setor esteja à frente e colabore com cada etapa do processo de transição, para torná-lo menos conflituoso.

A inovação também é um ponto de atenção. As gerações que nasceram entre as transições de tecnologias podem não estar familiarizadas com os termos e as possibilidades atuais. Por isso, é fundamental ter um RH mais estratégico, que qualifique a sua força de trabalho, oriente, capacite e administre as mudanças.

Mudar de operacional para estratégico

Ter um RH estratégico não significa deixar as rotinas do departamento pessoal de lado. Também não quer dizer que o setor pode abrir mão do aprimoramento do ponto eletrônico, do controle de colaboradores ou da gestão de benefícios. Todos esses aspectos são fundamentais para a boa gestão de pessoas.

O RH precisa ver os profissionais de maneira estratégica, melhorando seus processos com tecnologia de ponta e utilizando dados reais para tomar decisões mais acertadas. Esse setor não tem função de apenas dar suporte à liderança — ele é essencial para a rentabilidade, crescimento e sucesso do negócio.

Para considerar o RH estratégico, é necessário:

  • fazer boas análises dos dados;

  • ter visão estratégica do negócio;

  • ser agente de transformação;

  • contar com tecnologia de ponta.

Selecionar profissionais talentosos

Preencher vagas nem sempre é uma tarefa fácil, especialmente com todas as transformações que a Indústria 4.0 possibilita. Encontrar e contratar os melhores profissionais é um desafio que antigo e que tem se tornado cada vez maior.

Nesse sentido, a Quarta Revolução Industrial reforça a importância de desenvolver uma marca empregadora, conhecida como employer branding. Ela funciona como uma espécie de ímã que atrai os profissionais qualificados para a companhia e retém aqueles que já são parte da equipe.

É fundamental, também, ter um dispositivo que potencialize e aprimore todo o processo de recrutamento e seleção. Dessa forma, o RH consegue gerenciar as vagas, aplicar testes online, centralizar o contato com os candidatos e ter uma série de outros benefícios.

Desenvolver líderes e equipes

Esse é um ponto que envolve planejamento em longo prazo e é fundamental para o crescimento de qualquer negócio. O RH precisa pensar no futuro da companhia por meio do seu patrimônio humano para não prejudicar o sistema organizacional.

A seguir, listamos as principais características que caracterizam o perfil de liderança 4.0.

Mais colaboração e menos hierarquia

O novo líder deve conhecer as competências e habilidades da equipe para garantir que todas sejam usadas. Para alcançar o sucesso, as pessoas precisam formar uma rede de colaboração na qual elas invistam seu conhecimento.

Transparência e conhecimento que gera valor

A nova forma de liderar inclui criar ambientes que incentivem comportamentos proativos, por meio da troca de informações entre coordenadores e colaboradores. Na era digital, a comunicação deve ser clara e eficiente, e o conhecimento precisa ser distribuído para gerar valor.

Avaliação contínua

O feedback precisa ser constante para que a equipe possa aprender com os erros e antecipar futuros conflitos. Além disso, o líder deve receber avaliações de desempenho para entender em quais pontos precisa melhorar.

Inovação

A liderança 4.0 toma a iniciativa e busca inovações para aprender e fomentar equipes multidisciplinares, ambientes de trabalho flexíveis e processos criativos. Além disso, é importante usar a tecnologia para aperfeiçoar a segurança das equipes e reduzir os erros.

Agilidade

A nova forma de liderar deve se basear em ciclos de produção mais curtos para responder a uma demanda de mercado cada vez mais exigente. Dessa forma, o líder deve ter estratégia e se preparar operacionalmente para solucionar qualquer problema que surja.

Gerenciamento de mudanças

Na Indústria 4.0, as empresas estão em constante transformação. A nova forma de liderar deve compreender essas mudanças e ser capaz de gerenciá-las a qualquer momento.

Tendências do setor na Indústria 4.0

Muito além dos desafios, a Indústria 4.0 surge com diversas tendências para o setor de RH de empresas de qualquer perfil. Conheça as principais a seguir.

Novas demandas de recrutamento

Com indústrias cada vez mais automatizadas, as demandas por profissionais vão mudar. Desde a parte operacional até as posições de gestão, o RH precisará usar diferentes estratégias para encontrar o profissional ideal.

Ao contrário do que acontecia alguns anos atrás, o recrutador deve analisar mais que as habilidades técnicas de cada candidato. Agora, a inteligência emocional e as chamadas soft skills — como capacidade de adaptação e resiliência — são determinantes na escolha de um profissional.

A própria tecnologia é útil nesse processo, pois permite que o RH aplique mais etapas nos processos seletivos, como testes de comportamento, perfil e psicológicos. A grande vantagem é que isso acontece de forma mais eficiente.

Dessa maneira, os recrutadores podem aumentar as fases de seleção e, ainda assim, terminar o processo mais rapidamente. O resultado também é mais apurado, próximo da realidade e confiável.

Maior uso das soluções em nuvem

Soluções baseadas em computação em nuvem já fazem parte da rotina do RH de muitas companhias. Fazer o controle de ponto e das folhas de pagamento e comunicar-se com os colaboradores por meio de plataformas conectadas em rede são alguns exemplos do que essa tecnologia possibilita.

Com a chegada da Indústria 4.0, a tendência é que outros processos do setor passem para ambientes 100% conectados. Homologação de rescisões, exames admissionais, emissão de contratos de trabalho e outros requerimentos que ainda demandam papel devem migrar para a nuvem.

Novos modelos de trabalho

O trabalho remoto é outro aspecto que vai influenciar as contratações nesse novo cenário. As empresas passarão a ter profissionais que atuam a distância, por meio do home office ou do coworking (uso de espaços compartilhados).

Existem muitas vantagens desses modelos, como a adaptação do colaborador. A organização ainda consegue economizar com infraestrutura e custos de manutenção. Porém, é importante investir em tecnologias que ajudem a manter a comunicação com essas pessoas e facilitem o monitoramento dos resultados.

O grande desafio para o RH é oferecer a flexibilidade que os novos talentos, especialmente os da geração millennials, demandam. Ao mesmo tempo, é necessário manter a produtividade e a competitividade do negócio.

Para isso, é necessário remodelar a cultura organizacional e torná-la mais inovadora. Dessa forma, será possível dar espaço aos talentos e permitir que eles trabalhem nos locais em que desejarem, sem perder o foco em resultados.

Automação de processos

A Indústria 4.0 carrega consigo a automação total de processos nas empresas. Assim, a mão de obra manual está cada vez menos presente em processos repetitivos e operacionais. Isso ajuda a reduzir erros e acidentes, ao mesmo tempo que o profissional continua sendo necessário.

Agora, as pessoas atuam de forma mais estratégica e menos operacional. Com a grande diversidade de softwares inteligentes e interconectados na cadeia produtiva, espera-se que o colaborador possa melhorar seu desempenho. Além disso, os produtos e serviços da indústria serão ainda mais especializados.

Para que essa automatização aconteça de fato, é necessário admitir, de forma gradual, uma série de tecnologias. O objetivo é desenvolver um ambiente integrado, em que exista a digitalização das informações e a comunicação entre os sistemas, produtos, máquinas e pessoas.

Os principais benefícios da automação são a segurança entre as diferentes fases de produção, a maior confiabilidade na realização das tarefas e a melhora da produtividade. A maior agilidade dos processos também exigirá uma maior especialização dos colaboradores.

Profissionais de RH do futuro

Com tantas transformações, os profissionais de RH também precisam se atualizar para que possam se manter no mercado de trabalho e exerçam o papel esperado dentro da organização. Nesse momento, existe uma importante mudança de mindset a ser explorada, de forma que as pessoas desenvolvam habilidades de entendimento de dados.

O conceito de big data, por exemplo, está cada vez mais presente no setor, envolvendo desde a análise de currículos até a organização dessas informações. A coleta e avaliação de dados permite que o profissional de RH consiga entender o comportamento dos profissionais e preveja seu futuro.

Entenda quais são as características fundamentais para o profissional de recursos humanos na Indústria 4.0.

Ter habilidade com tecnologias

Para se destacar no mercado do futuro, todo gestor de recursos humanos deve conhecer e dominar as diversas tecnologias que estão surgindo. Mesmo hoje, ter essa habilidade é extremamente importante, pois já existem muitas ferramentas que ajudam a aumentar a eficiência no trabalho e a reduzir custos operacionais.

As entrevistas virtuais são bons exemplos atuais do uso da tecnologia no RH. Por meio delas, o gestor pode fazer uma avaliação inicial dos candidatos. Outra possibilidade é o controle de ponto digital, que utiliza aplicativos para otimizar processos e substituir o uso de planilhas de banco de horas. Dispositivos para coleta e análise de dados também vão ser cada vez mais frequentes na rotina dos profissionais de recursos humanos.

Saber atuar de forma estratégica

Os gestores já sabem reconhecer a importância do engajamento, mas como o setor de RH pode lidar com uma equipe heterogênea? Afinal, ter profissionais com perfis diferentes é fundamental para o sucesso e inovação do negócio.

O big data na Indústria 4.0 vai ajudar a entender melhor os anseios e necessidades de cada colaborador. Além disso, a tecnologia vai permitir uma gestão mais estratégica e individualizada, o que converge com as expectativas de cada contratado.

Em conjunto com o People Analytics, as ferramentas de gerenciamento também vão ajudar a fazer avaliações de desempenho mais efetivas. Com isso, a empresa pode oferecer um pagamento de bônus por resultados.

Prezar a cultura organizacional

Outro ponto importante para os profissionais que atuam no setor de RH é saber gerenciar a cultura organizacional das empresas. O responsável pela área deve conhecer todos os valores que a instituição deseja transmitir para seus clientes e colaboradores. Dessa forma, é possível desenvolver ações que permitam a criação e a manutenção dessa cultura entre os trabalhadores.

Inovar, proporcionar mudanças, sugerir soluções, tornar os relacionamentos mais humanos e integrar os diferentes setores da companhia são algumas das principais necessidades do RH do futuro, e isso vai exigir conhecimento e dedicação dos gestores.

Desenvolver competências

Além de se manter atualizado, o responsável pelo RH da Indústria 4.0 também precisa ajudar a desenvolver competências na empresa. Inicialmente, ele deve saber mapear e interpretar os perfis comportamentais das equipes.

Com esses dados em mãos, o gestor pode solicitar contratações de pessoas que complementem os times. Assim, o processo seletivo é mais focado, sendo possível selecionar os profissionais mais adequados para cada vaga.

Depois, as habilidades de cada colaborador podem ser combinadas. O objetivo é desenvolver planos de crescimento profissional com foco nas metas da empresa. A grande vantagem é que essa atitude ajuda a reduzir a taxa de rotatividade e a elevar a produtividade no trabalho.

Ser gestor do conhecimento

A era do conhecimento exige que os profissionais de recursos humanos saibam gerir as informações. A forma como os dados são acessados e analisados mudou a maneira de decidir.

Como as empresas precisam organizar e transmitir um grande volume de informação, o RH não pode se omitir. Com isso, o gestor pode manter os times informados e alinhados, garantindo uma administração mais clara e transparente.

As novas tendências da Indústria 4.0 vão impactar diretamente a rotina dos profissionais de RH. A tecnologia tem um papel fundamental nessa mudança, pois softwares de gestão criam possibilidades para planejar e agir estrategicamente. Portanto, é fundamental se manter atualizado e conhecer o que o mercado oferece, aplicando as novidades ao universo dos recursos humanos.

Gostou do conteúdo? Quer complementar a leitura e saber como as ações positivas de bem-estar e saúde podem aumentar a produtividade na sua indústria? Então, baixe nosso e-book sobre o assunto!

Powered by Rock Convert
Banner Sesi Viva MaisPowered by Rock Convert