Fatores Psicossociais

Proteção psicossocial: como criar um ambiente favorável ao trabalhador?

Tempo de leitura: 7 min

Nas últimas décadas, desenvolvimentos significativos no cenário econômico, político, tecnológico e social contribuíram para o aumento do estresse, da depressão, da ansiedade e de outros transtornos mentais. Por isso, tão importante quanto fazer a gestão de pessoas por parte do RH é dar mais atenção para os aspectos que envolvem a proteção psicossocial.

Isso porque muitas condições do ambiente de trabalho podem ser melhoradas: existem maneiras de ajudar as equipes e as lideranças. No fim das contas, todos ganham: promovemos o bem-estar e, ao mesmo tempo, evitamos que os profissionais sejam substituídos com frequência, causando prejuízos financeiros com novas contratações.

Neste post, vamos apresentar o conceito de fatores psicossociais, os principais impactos para o trabalhador, além de dicas para incentivar a saúde mental dos empregados. Continue a leitura e confira!

Afinal, o que são fatores psicossociais?

Fatores psicossociais são interações que acontecem entre o ambiente de trabalho e as características pessoais e sociais dos trabalhadores. Eles incluem a maneira como o trabalho é realizado (prazos, carga horária, métodos, ferramentas) e o contexto em que ocorre (relacionamentos, interações com gerentes, supervisores, colegas, familiares etc.).

É importante considerar que os fatores psicológicos são percepções e interpretações de assuntos relacionados ao trabalho, enquanto os fatores sociais envolvem a influência do contexto social e dos aspectos interpessoais. Esses conceitos se fundiram no termo “psicossocial”.

A expressão “ambiente de trabalho psicossocial” é dividida em três componentes, como vamos mostrar a seguir.

Organização

Trata-se das características específicas de como o trabalho está organizado. Tem a ver com os processos de trabalho, com o modo como as atividades são desenvolvidas, por exemplo: se o lugar tem um organograma, se as instalações são adequadas em termos de equipamentos, máquinas, segurança, se os horários dos turnos são explicados, ou ainda, se as tarefas que cada um desempenham estão claras.

Por exemplo, não é bom trabalhar em uma empresa na qual ninguém sabe quem é o responsável, sem as ferramentas necessárias e onde as expectativas e o cronograma de trabalho são confusos, não é verdade?

Interação social

As condições psicossociais de trabalho também são determinadas pela interação entre ambiente, colegas e o indivíduo. A colaboração e a cooperação (ou a falta delas) são as consequências de como essas interações acontecem. O apoio que a equipe recebe da liderança também é um fator psicossocial importante.

Ou seja, se houver muitos conflitos, normalmente a produtividade cai e a rotatividade de pessoal aumenta, já que as pessoas evitam trabalhar em lugares assim. Nesses casos, insônia e dores musculares tornam-se comuns na vida dos empregados.

Percepção individual

Cada pessoa tem sua própria visão de mundo. Temos percepções e avaliações individuais e isso influencia diretamente na saúde, no bem-estar e no desempenho. Por isso, é quase impossível criar o local de trabalho perfeito. O que é bom para alguém nem sempre vale para o outro.

Essas diferenças decorrem de processos cognitivos e emocionais, bem como das características de cada trabalhador. O componente do ambiente psicossocial enfatiza a interpretação individual do profissional, além da forma como as influências externas são percebidas, processadas e disseminadas. Por exemplo: o que pode ser estressante para um trabalhador, pode não ser para outro.

Quais são os impactos para o trabalho e para o trabalhador?

Os fatores psicossociais podem ser tanto fatores de risco como fatores de proteção, ou seja, podem causar danos ou favorecer a saúde dos trabalhadores. Em outras palavras, os fatores psicossociais podem impactar de maneira negativa ou positiva na vida dos trabalhadores e da empresa.

Quando negativas, algumas consequências podem estar associadas a doenças cardiovasculares, gastrointestinais, distúrbios do sono ou até mesmo doenças mentais.

Os empregadores, é claro, não estão imunes aos riscos, sobretudo por conta do estresse causado pela ausência de funcionários, perdas financeiras, má qualidade de vida, etc.

É importante destacar que todas as doenças descritas relacionadas a fatores psicossociais negativos no trabalho são multifatoriais. Ou seja, outros aspectos também merecem atenção, como situação familiar, endividamento, abuso de drogas ou genética, para citar algumas.

Embora muitas vezes seja difícil de perceber esses fatores, é possível identificá-los e, com isso, tomar providências a tempo, antes que evoluam para um problema.

Da mesma maneira, os fatores psicossociais podem ser positivos e fortalecer a saúde dos trabalhadores. Isso acontece quando o clima do ambiente de trabalho é percebido como amistoso e saudável, quando as pessoas sentem que recebem o apoio adequado de suas lideranças e de seus colegas, ou ainda quando metas e atividades têm sentido e trazem satisfação para o trabalhador.

Como é possível incentivar a proteção psicossocial nas empresas?

Provavelmente levará um tempo antes de começarmos a tratar doenças mentais da mesma forma que as doenças físicas. Mesmo assim, é possível promover saúde e segurança no trabalho com um pequeno passo de cada vez. Acompanhe as dicas a seguir.

Fale sobre saúde mental no local de trabalho

Não tenha medo de abordar questões relacionadas ao estresse, à depressão, à ansiedade ou a outras doenças mentais. Deixe claro que todo mundo luta para se manter mentalmente saudável. É natural e não há motivos para se sentir constrangido ou com vergonha.

Eduque os gerentes sobre os sinais de problemas e treine-os a responder adequadamente a qualquer dúvida. Uma conversa cuidadosa entre um supervisor e um empregado, na maioria das vezes, é fundamental para incentivar alguém a pedir ajuda.

Forneça as informações necessárias

Muitos problemas de saúde mental não são tratados porque os trabalhadores não reconhecem os sinais e sintomas. Por isso, acreditam que não é nada sério ou que são capazes de resolver por conta própria.

Sendo assim, é importante trabalhar a conscientização por meio de palestras com profissionais da área, oferecer artigos, revistas, vídeos e outros materiais didáticos para quebrar as barreiras da falta de informação ou até preconceito.

Além de ajudar a equipe a ter melhor qualidade de vida e a alcançar o maior potencial, esses treinamentos em serviço também ajudam a empresa a reduzir os custos em longo prazo.

Busque parceiros

Os transtornos mentais e comportamentais já estão entre as principais causas de afastamento no trabalho. Sabendo disso, o CISFPS — Centro de Inovação SESI em Fatores Psicossociais — atua no desenvolvimento de soluções para atender às demandas relacionadas à saúde dos trabalhadores.

O centro possui uma equipe multidisciplinar de especialistas para identificar problemas, propor ideias e colocar o projeto em prática, fazendo os ajustes necessários de acordo com os resultados.

Como vimos, a proteção psicossocial é extremamente importante para a gestão de saúde nas empresas. Por meio dela, é possível promover programas que ajudem as pessoas a superarem problemas, dificuldades e, acima de tudo, evitar complicações de saúde mais sérias.

Gostou do artigo? Baixe agora mesmo o nosso e-Book: Tudo o que você precisa saber sobre fatores psicossociais no trabalho.

E que tal se aprofundar ainda mais com a fala de especialistas? O Conecta Saúde Sesi está chegando, e vai trazer grandes nomes para debater o bem-estar, a segurança e a saúde no ambiente laboral do futuro. Saiba mais e garanta seu lugar para ouvir o que o Dr Drauzio Varella, a Dra Susan Andrews, o economista Ricardo Amorim, o futurista Tiago Mattos e outros grandes palestrantes têm a falar sobre o assunto nos dias 06 e 07 de maio de 2020, em Porto Alegre.