Fatores Psicossociais

Por que é importante investir em Fatores Psicossociais dentro das empresas?

Tempo de leitura: 6 min

Successful psychologist talking to her patient

Você sabia? Ações focadas em Fatores Psicossociais, por gerarem impactos positivos no ambiente de trabalho e nas empresas, contribuem comprovadamente para a redução dos índices de absenteísmo e, consequentemente, auxiliam na redução de despesas com saúde e no aumento da produtividade nas empresas. Ou seja: é bom para todos – tanto que rendeu ao Centro de Inovação Sesi em Fatores Psicossociais o Prêmio Top Cidadania 2019 da ABRH-RS.

Para compreender os reais motivos que estão levando cada vez mais organizações a investirem em Fatores Psicossociais, é preciso primeiro entender o que são estes fatores e qual o real impacto deles na vida e na produtividade dos trabalhadores. Depois disso, podemos nos perguntar o que as empresas podem fazer a partir do momento em que entenderem que este olhar cuidadoso sobre a saúde mental da equipe é importante não só para as pessoas, mas também para o seu negócio.

 

O que são Fatores Psicossociais?

Antes de definir os Fatores Psicossociais, é importante ressaltar que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a saúde é definida como um estado de bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças. Sendo assim, falar de Fatores Psicossociais e de saúde mental é tão importante quanto falar de saúde física e segurança no trabalho dentro das organizações, afinal, somente em um estado de bem-estar pleno conseguimos realizar atividades e lidar tranquilamente com tensões da vida, atuando de forma produtiva e contribuindo socialmente.

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), os Fatores Psicossociais se referem às interações entre meio ambiente e condições de trabalho, condições organizacionais, funções e conteúdo do trabalho, esforços e características individuais e familiares dos trabalhadores. Como abrangem todas as questões individuais (que incluem gênero, idade, estado civil, escolaridade e estilo de vida) e, simultaneamente, as características do meio ambiente e do trabalho, a natureza destes fatores é extremamente complexa. Não bastasse a complexidade, as questões ainda podem ser divididas entre fatores de proteção e fatores de risco.

 

Fatores de proteção X Fatores de risco 

Cada fator psicossocial pode ser relativo à proteção ou a riscos para a saúde do trabalhador e, consequentemente, para a produtividade da empresa. Os fatores de proteção, que são positivos, são aqueles relacionados a eventos, situações ou pessoas que propiciam apoio e fortalecimento ao trabalhador, de maneira que ele possa lidar com os desafios do seu trabalho e do seu cotidiano.

Por outro lado, os fatores de riscos psicossociais são aqueles negativos. Referem-se ao que pode causar dano para a saúde do trabalhador e são decorrentes da interação entre a concepção e a gestão do trabalho, no contexto organizacional e social.

 

Que números atestam a importância do cuidado com a saúde mental no trabalho?

 No Brasil, os transtornos mentais e de comportamento são, hoje, a terceira principal causa de incapacidade para o trabalho. A tendência é que, até 2020, eles ocupem a primeira posição (como já ocorre em outros países).

Segundo o Boletim Quadrimestral do INSS, os gastos públicos ligados a transtornos mentais e comportamentais somaram o equivalente a 7% das despesas médicas do país entre 2012 e 2016. Para se ter uma noção de valores, é só colocar na conta os gastos: diagnóstico, tratamento, recuperação, reabilitação, perdas de produção, multas indenizatórias, perda de capacidade para o trabalho e por aí vai.

Os custos econômicos decorrentes deste índice são mensuráveis, mas o real prejuízo do adoecimento mental permanece, de certa forma, subjetivo. Segundo a OMS, transtornos mentais e comportamentais vão acometer um quarto da população mundial em algum momento da vida – e são grandes as chances de este momento se dar em idade produtiva.

Depois de conferir alguns dados, não fica difícil entender o motivo tantas indústrias já estarem procurando soluções em saúde mental no ambiente de trabalho.

 

O cenário brasileiro 

Enquanto indústrias começam a reconhecer a necessidade de garantir sua sustentabilidade a partir do investimento em Fatores Psicossociais, os processos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação na área ainda são incipientes no Brasil. O contexto é claro: há demanda para centros especializados capazes de auxiliar no desenvolvimento de produtos e serviços para a indústria brasileira que gerem impacto na redução dos riscos psicossociais.

Consciente deste cenário e da tendência mundial, o Departamento Nacional do Sesi estruturou nove Centros de Inovação pelo país, cada um focado em um tema estabelecido a partir das necessidades das indústrias no mercado. O objetivo do lançamento desta rede é buscar uma atuação mais direta em inovação e desenvolvimento para oferecer alternativas inovadoras, baseadas em sérios trabalhos de pesquisa na área de Saúde e Segurança no Trabalho.

 

O Centro de Inovação Sesi em Fatores Psicossociais 

O Centro de Inovação do Rio Grande do Sul ficou com a temática dos Fatores Psicossociais graças à experiência prévia do Sesi/RS com o assunto. Assim, nasceu o Centro de Inovação Sesi em Fatores Psicossociais, que atua com pesquisa aplicada à indústria para o desenvolvimento de novas técnicas, metodologias e ferramentas voltadas ao tema.

A atuação do CISFPS é baseada em três eixos: Pesquisa aplicada à indústria; Desenvolvimento de soluções inovadoras para assessorar a empresa na gestão de Fatores Psicossociais; e Disseminação de conhecimento. Até hoje, as soluções que já tiveram projetos piloto lançados já atingiram mais de 24 mil trabalhadores de empresas de diferentes portes. A pilotagem permitiu que os protótipos fossem validados antes de serem transformados oficialmente nas soluções das quais o mercado brasileiro tanto precisa.

A concepção e a criação do centro se mostraram tão relevantes e inovadoras que conquistaram o Prêmio Top Cidadania 2019 da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-RS), uma das maiores referências da América Latina. A conquista consolida o CISFPS como referência nacional no desenvolvimento de soluções em Fatores Psicossociais validadas pela indústria e reconhecidas por instituições de ensino nacionais e internacionais.

Para saber mais sobre o Centro de Inovação SESI em Fatores Psicossociais, acesse o nosso site e nossa página no Linkedin.