Fatores Psicossociais

Entenda por que cuidar dos casos de depressão no trabalho é uma necessidade

Tempo de leitura: 10 min

Você sabia que mais de 75 mil pessoas foram afastadas do emprego por conta de depressão em 2016? Quando não existe prevenção ou tratamento, essa doença pode levar a outros problemas, como ansiedade ou, até mesmo, suicídio.

Quem lida com esse mal há mais tempo, talvez esteja ciente dos sinais de alerta. No entanto, há muitos que sofrem sem nem se darem conta de que estão deprimidos.

Nesse contexto, o setor de Recursos Humanos de uma empresa exerce um papel fundamental na busca por identificar os sinais de alerta e saber as medidas que precisam ser tomadas para garantir a saúde dos funcionários.

Para ajudá-lo nas campanhas de combate à depressão, trouxemos este artigo completo sobre o assunto. Ao longo da leitura, você entenderá como identificar a doença, de que forma ela afeta os seus colaboradores e a indústria, além de receber dicas práticas para combatê-la!

Confira a seguir, tudo o que você precisa saber sobre a depressão no trabalho!

O que é a depressão?

Às vezes, é normal sentir-se triste. No entanto, se uma pessoa experimenta emoções negativas de forma intensa e elas perduram por longos dias, semanas ou meses, esse pode ser um grave sinal de depressão clínica — doença que requer tratamento.

Depressão é uma alteração da química do cérebro, que distorce a forma de pensar e de sentir as emoções e atinge pessoas de todas as classes sociais. Ela afeta totalmente a vida pessoal, os sentimentos, pensamentos e comportamentos. Enquanto alguns podem sofrer uma única crise, outros apresentam episódios recorrentes ou experimentam mudanças bruscas de humor.

Entretanto, não se deve levar em conta a tristeza de forma isolada, uma vez que respostas emocionais temporárias aos desafios da vida cotidiana não significam depressão. Da mesma forma, a sensação de pesar resultante da morte de alguém próximo, por exemplo, também não é doença. Mas quando outros sintomas também surgem, como sentimento de vazio, falta de esperança, desânimo, falta de prazer, mudança no apetite, alteração do sono, pensamentos negativos, dificuldade nos relacionamentos em casa, no trabalho e na vida social, é um sinal de alerta.

Quais são os números por trás da doença?

A depressão é um transtorno mental frequente. Em todo o mundo, estima-se que mais de 300 milhões de pessoas, de todas as idades, sofram com esse transtorno (OMS, 2018).

De acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicado em 2015, o Brasil lidera com o maior número de vítimas de depressão na América Latina. Também estamos ao lado da Ucrânia, Austrália e EUA como uma das nações com maior índice de depressão populacional global (5,9% do total ou cerca de 11,5 milhões de pessoas).

Em alguns casos, a depressão pode levar ao suicídio. No mundo, cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano – sendo essa a segunda principal causa de morte entre pessoas com idade entre 15 e 29 anos (OMS, 2018).

Alguns dados do Centro de Valorização da Vida (CVV), — organização que presta atendimento a quem apresenta tendências suicidas —, apontam a ocorrência de, pelo menos um desses casos a cada 43 minutos.

Por que se preocupar com a depressão no ambiente de trabalho?

Em casa ou no trabalho, a doença apresenta as mesmas características: desânimo, perda de interesse por atividades que antes davam prazer, falta de atenção e concentração. No ambiente corporativo, no entanto, falar sobre saúde mental ainda representa um tabu, pois há muita resistência e preconceito. Algumas pessoas, por não reconhecerem o fato de estarem deprimidas ou ainda, por acharem que o trabalho não é local para tratar do assunto, não falam do seu sofrimento, nem pedem ajuda.

A doença afeta a produtividade individual, a capacidade de trabalhar em equipe e o desempenho geral no trabalho. A dificuldade de se concentrar ou tomar decisões pode resultar em erros ou acidentes dispendiosos.

Diante disso tudo, alguns dos pilares da gestão de pessoas é ficar atento, orientar e procurar soluções viáveis para as necessidades da equipe. Se a saúde mental compromete a capacidade de alguém desempenhar suas funções, é sinal de que é preciso ajudar.

Por mais que não seja sua responsabilidade diagnosticar a depressão, é preciso interagir com o grupo e identificar situações incomuns. Afinal, essa atenção é importante para que a pessoa receba os cuidados necessários.

A intervenção precoce da sua parte permitirá que os trabalhadores afetados tenham um tratamento mais eficaz e no tempo certo. A cultura e as práticas organizacionais que favoreçam ambientes saudáveis também contribuem para a melhoria da saúde mental de toda a empresa.

Qual é a importância de cuidar da saúde mental?

Criar um ambiente de trabalho saudável, investir na saúde e bem-estar da equipe são fatores que causam impacto positivo no negócio. Não há dúvida de que essas práticas contribuem fortemente para o engajamento dos funcionários, favorecendo que as pessoas queiram se manter trabalhando na empresa.

Entretanto, a ausência dessas políticas pode representar aumento de custos relacionados a afastamentos de funcionários e sinistralidade de plano de saúde.  Hoje, no mundo corporativo, a saúde e o bem-estar dos trabalhadores são peças-chave para as organizações mais bem-sucedidas e inovadoras do mundo. Para essas empresas, não é uma questão apenas de discurso, elas investem muito tempo, energia e recursos na criação de locais de trabalho que adotem a boa convivência como parte vital da estratégia de negócios.

A razão disso é o fato de os especialistas mostrarem que o custo de não ter um programa de bem-estar no local de trabalho é maior do que o da implementação de um. No momento em que você leva em consideração as altas taxas de rotatividade, o absenteísmo, o presenteísmo, alguns acidentes  e os afastamentos por transtornos mentais, não ter um programa de bem-estar no local de trabalho sai muito caro.

Quais são os sintomas da depressão?

É fundamental ser proativo quando se trata da saúde e do bem-estar mental da sua equipe. Afinal, as pessoas não experimentam o mesmo quadro clínico de depressão. Os sintomas podem variar em relação à duração e à intensidade. Por isso, às vezes é difícil identificar o que realmente está acontecendo.

Os sinais de depressão no trabalho incluem:

  • dificuldade de memória, concentração e tomada de  decisões;
  • alterações no desempenho e comportamento no trabalho, como produtividade reduzida ou inconsistente;
  • absenteísmo, atrasos ou ausências frequentes;
  • aumento de erros e diminuição da qualidade do trabalho;
  • procrastinação e prazos perdidos;
  • reações excessivamente sensíveis ou desproporcionais;
  • diminuição do interesse pelo trabalho;
  • movimento lento e ações;
  • humor deprimido;
  • diminuição do interesse ou do prazer em atividades anteriormente desfrutadas
  • aumento ou redução do apetite;
  • insônia ou excesso de sono;
  • agitação psicomotora, por exemplo: inquietação;
  • habilidades psicomotoras atrasadas, como retardo do movimento e fala;
  • fadiga ou perda de energia;
  • sentimentos de inutilidade ou culpa;
  • tentativa de suicídio ou manifestação do desejo de morrer;

Se você notou vários desses comportamentos, converse com o trabalhador o mais rápido possível e ofereça ajuda.

Para situações mais urgentes, ligue ou oriente que a pessoa ligue para o CVV, telefone 188, pois trata-se de um local adequado para escuta dessas situações, 24 horas por dia.

Quais são as melhores práticas para ajudar seus funcionários?

A depressão pode ser facilmente interpretada como preguiça ou falta de ética no trabalho. Mas agora que você sabe identificar os sinais verdadeiros, confira as melhores práticas para evitar ou remediar o problema!

Ofereça um ambiente aberto às conversas

Demonstre aos trabalhadores que você é acessível. Ou seja, que está aberto para falar sobre qualquer tipo de problema como: estresse, ansiedade ou depressão. Crie uma cultura de apoio, em que todos entendam que não estão sozinhos.

Respeite a confidencialidade

Lembre-se sempre de que a informação sobre saúde mental é altamente sigilosa. Quando um membro da equipe revela informações pessoais, significa que confia em você. Então, não repasse o acontecido, a menos que ele tenha autorizado e em função de um objetivo específico.

Crie um plano de ação

Outra ideia é discutir com a sua equipe possíveis ações que permitam que todos se mantenham saudável e continuem desempenhando suas funções. Esses diálogos são oportunos para você receber feedbacks e desenvolver um projeto que equilibre as necessidades de todos.

Defina expectativas

Também é possível incluir o que se espera do colaborador quando um plano de ação é criado. Dar a ideia concreta das expectativas é uma forma de orientar e apontar a direção certa a seguir.

Forneça feedback construtivo

É importante fornecer feedback adicional a quem está enfrentando depressão, pois é uma contribuição para gerenciar metas e expectativas. Infelizmente, as críticas podem aumentar o nível de ansiedade alguém que está sensível.

Para tornar esses momentos uma experiência mais positiva, é bom se concentrar no que cada um está fazendo bem e destacar isso primeiro em vez de apenas apontar o que precisa ser melhorado.

Seja um líder e não um chefe

Tenha empatia e se aproxime dos seus funcionários. Um líder é aquele que além de gerenciar atividades e pessoas, inspira sua equipe e se preocupa com o bem-estar de todos.

Estimule hábitos saudáveis

Os especialistas afirmam que comer alimentos saudáveis, praticar atividade física no trabalho e ter uma boa noite de sono são práticas essenciais para a saúde. Por isso, que tal lançar um programa de bem-estar para toda a empresa? Afinal, os líderes também são trabalhadores e precisam cuidar de sua saúde!

Incentive a equipe a cuidar da saúde

A regularidade dos exames de saúde é importante para a qualidade de vida, pois os exames de rotina estimulam os trabalhadores a cuidarem de sua saúde.

Essas são formas de diminuir os riscos de a pessoa desenvolver problemas cardíacos, estresse, diabetes e outras doenças crônicas. Assim, a saúde física oferece mais tranquilidade emocional.

Depressão é assunto sério

Como você viu, a depressão é um problema muito grave e impacta diretamente os ambientes de trabalho. O número de pessoas que sofrem desse mal é cada vez mais expressivo no Brasil e no mundo. Independentemente de gênero, idade ou condição social, a depressão destrói o entusiasmo da pessoa e compromete a sua saúde física e mental. Por isso, setembro é o mês mundial de conscientização sobre a importância da prevenção do suicídio, chamado de Setembro Amarelo.

Nesse sentido, é importante estar atento aos sinais, ser acessível, respeitar a confidencialidade, fornecer feedbacks construtivos e criar meios de cuidar do bem-estar físico e mental daqueles que são os responsáveis por fazer a empresa crescer e se desenvolver. Pense nisso!

O Centro de Inovação SESI atua no desenvolvimento de soluções para atender demandas relacionadas aos fatores psicossociais. O objetivo é reduzir despesas com afastamentos e acidentes, além de aumentar a produtividade. Acesse o link para conferir a Campanha relativa ao Setembro Amarelo que o Centro de Inovação está realizando e ajude a disseminar esse cuidado.